e366d987-963b-4e10-acde-46da5ee8e7fa
fac1f55d-e0bb-405e-b197-ffa85a4224df
bc8df86c-a2c9-42bd-bb2d-2c636dc7f614
e6264573-db59-4a1e-8f2b-1b569c7e5e16
988361ad-41f1-4d38-b7be-cbad7266117f
18315bc5-d337-48d2-9bdd-1551ad519d19
380045d0-381d-4e69-a649-031cb40580e5
1851e6dd-6faf-4985-9eb4-02797953e74b
775ff0e9-4196-423d-b7a4-1b2e37359b9f
1226df3c-76f2-40dd-87e2-da8ed3b633d8
909f617d-edc0-47f7-913f-8503a759df3c
1eda93ee-5be3-4154-9b09-bed307e4acae

RESUMO HISTÓRICO

A Academia de Medicina do Pará foi fundada em vinte e um de setembro de 1987, após intenso e laborioso trabalho desenvolvido pelos Drs. Luiz Alberto Rodrigues de Moraes, Luiz Cláudio Lopes Chaves, José Maria Cardoso Salles e Waldenice de Oliveira Ohana. Esse grupo recebera, nesse sentido, grande incentivo do eminente Prof. Dr. Geraldo Milton da Silveira, ex-Presidente da Federação Brasileira das Academias de Medicina e então Presidente da Academia de Medicina da Bahia, o que resultou na criação de nosso silogeu, abrigando em seus quadros grandes vultos da Medicina de outrora e contemporânea em nosso Estado, na condição de Patronos e Titulares de suas quarenta Cadeiras.

Já na Sessão de instalação, o insigne Acadêmico Prof. Dr. Clodoaldo Fernando Ribeiro Beckmann vaticinava: "Este grupo de profissionais há de padecer, sem dúvida, da  incompreensão de todos que detestam as Academias quando a elas não pertencem". E, prosseguindo em sua alocução, afirmava: "A única maneira de manter ativa e jovem uma instituição como esta é fazê-la um centro intelectual de sistematização e divulgação da cultura médica paraense".  É o que a Academia, através de sucessivas Diretorias vem buscando assegurar desde sua fundação.

Estiveram presentes nessa Sessão trinta e um médicos, que elegeram como seu primeiro Presidente o inolvidável mestre Prof. Dr. Clóvis Olintho de Bastos Meira. Este, logo constituiu duas comissões: uma encarregada de elaborar o Estatuto e o Regimento Interno; outra, de escolher entre os consagrados  destaques da Medicina do Pará, já falecidos, aqueles que mereceriam figurar na condição de Patronos de suas quarenta Cadeiras.

Durante sua adolescência, a Academia experimentou momentos difíceis, porém, graças à abnegação e dedicação de membros como os Acadêmicos Habib Fraiha Neto, sempre zeloso na organização e publicação de nossos Anais, e o nosso operoso Presidente Rubens da Silveira Britto, foi possível atravessar esse período turbulento. Um reconhecimento especial é devido ao seu grande benfeitor, Prof. Dr. João Paulo do Valle Mendes, que chamou a si a responsabilidade de acolhê-la sob sua proteção, física e intelectual, impedindo-a de sucumbir.

Hoje, seguimos em plena maturidade, conduzindo nossa Academia de maneira firme e segura em direção a um grande futuro, de glórias, esplendor e grandeza da Medicina no Pará. 

 

Dr. Alberto Ferreira

Presidente da AMP